Divanilton Pereira: “Vamos mobilizar todos os interessados em recuperar a atuação da Petrobrás como um patrimônio do Brasil”

destaque

Foto: Arquivo

Depois de quase 20 dias de greve da categoria em todo o Brasil(*), a expectativa na Federação Única dos Petroleiros (FUP) é que até o final da próxima semana seja realizado um grande ato de assinatura dos acordos coletivos. Feito isso, iniciam em 60 dias os estudos do grupo de trabalho paritário, envolvendo estatal e trabalhadores, sobre a Pauta pelo Brasil.

Por Railídia Carvalho no Portal Vermelho

“O grupo paritário foi a grande vitória. Os trabalhadores estão na disputa pelos rumos da Petrobras”, ressaltou Divanilton Pereira, dirigente nacional da FUP. Para ele, foi fundamental o equilíbrio demonstrado pelos dirigentes sindicais para levar adiante uma iniciativa que terá desdobramentos na economia nacional.

A Pauta pelo Brasil, como foi nomeado o tema pelos trabalhadores, defende pontos como a suspensão da venda de ativos, preservação da política de conteúdo nacional, garantia de exploração do pré-sal pela própria Petrobras e implementação de uma nova política de saúde e segurança. “Foi um movimento em defesa do Brasil”, definiu o dirigente.

Mesmo a ocorrência de medidas repressoras e intimidatórias como prisões e bloqueio de contas dos sindicatos não impediram que 70% dos trabalhadores da área operacional aderissem à greve. Segundo Divanilton, cerca de 40% do setor administrativo também se juntou ao movimento. “A greve conseguiu atingir ¼ da produção da Petrobras, que é de aproximadamente 2 milhões de barris/dia”, informou.

Os excessos cometidos durante a greve serão apurados pelo Ministério Público Federal nos Estados em que aconteceram. Práticas antissindicais, como prisões de dirigentes e bloqueio de contas dos sindicatos, aconteceram em diversos Estados. A garantia da apuração foi acordada em reunião realizada nesta terça-feira (17) entre FUP e Ministério Público Federal.

Na opinião de Divanilton, a força da categoria assegurou ainda os acordos coletivos intactos. “Neste momento de crise não foi retirado nenhum direito já adquirido pelo trabalhador”, lembrou. Segundo ele, a estatal também concordou em colocar em discussão a negociação dos dias parados. Em matéria no site da FUP a entidade orienta os trabalhadores a “não assinar nada relativo à compensação e/ou desconto dos dias parados, enquanto esses pontos ainda estiverem sob discussão”.

Com a expectativa de que o grupo paritário comece a se reunir a partir de dezembro, a FUP pretende ampliar o diálogo e acrescentar mais contribuições ao debate sobre o papel a Petrobras na retomada do crescimento do país. “Vamos realizar audiências públicas para mobilizar o empresariado, movimentos sindicais e sociais, governos e todos os interessados em recuperar a atuação da Petrobras como um patrimônio do Brasil”.

(*) Em verdade, na maioria dos sindicatos filiados à FUP, o movimento grevista durou 13 dias.

(Fonte: http://www.vermelho.org.br com títulos da Imprensa do SINDIPETRO-RN)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: